Técnica de Pilotagem: Pilotando com Passageiro (Garupa)

Técnica de Pilotagem: Pilotando com Passageiro (Garupa)

Técnica de Pilotagem: Pilotando com Passageiro (Garupa)

Esclarecimento inicial: Este artigo refere-se a passageiro como gênero sobrecomum, não fazendo menção ao sexo masculino ou feminino; as técnicas a seguir propostas podem ser aplicadas a ambos os sexos.

Conduzir uma motocicleta requer, sem dúvida, equilíbrio e controle; agora adicione um passageiro e você vai precisar duas vezes mais dessas habilidades, portanto é necessário ter total controle de suas habilidades antes de decidir por carregar um passageiro. No entanto nem precisamos dizer o quão gratificante é dividir o prazer de um passeio de motocicleta com quem gostamos, então vamos às dicas e técnicas que proporcionarão segurança ao momento.

Há muita dúvida, mitos e até alguma negatividade entre pilotos quando o assunto diz respeito a passageiros; e não é raro encontrarmos muitos que ainda se recusam a transportar alguém na garupa. Contudo, viajar com um passageiro pode certamente ser um divertimento compartilhado. É certo que em algumas motocicletas, como as Sport Bikes, os “garupas” não se sentem confortáveis, e a moto também não é bem projetado para transportar passageiros, logo os pilotos desse tipo de moto geralmente não se preocuparam em desenvolver as habilidades necessárias para carregar um passageiro, mas para os demais motociclistas, dominar as técnicas de pilotagem para essa situação são quase que obrigatórias, visto que mais de 90% das motos permitem o transporte de passageiros. E nem adianta argumentar que você só anda sozinho, pois um dia – inevitavelmente – você se verá em uma situação onde terá que pilotar com um passageiro – seja por necessidade ou diversão -, logo é melhor estar preparado.

A seguir enumeramos algumas diretrizes e dicas que servem de norte, mas é claro que o assunto não se esgota aqui, portanto insistimos que o melhor a fazer é buscar curso e profissionais especializados que podem – através conhecimento dirigido e prática de exercícios – proporcionar maior conforto entre você e sua / seu passageiro naquele passeio de sábado ou em uma viagem mais longa.

I – Preparação Geral do Passageiro

a) Primeiro Passo: Do Passageiro para o Piloto – Motociclista Experiente

O requisito primordial para garantir a segurança do passageiro é um motociclista experiente. Portanto passageiro exija do seu piloto treinamento; não arrisque sua vida e a vida do piloto sem primeiro praticar. Como sugestão, procurem um local calmo para o treino, como um estacionamento ou uma rua sem ou com pouco movimento. Os primeiro movimentos serão desleixados enquanto ambos se condicionam à nova relação Equilíbrio x Peso, e uma atenção especial tem que ser dada às baixas velocidades, logo se deve praticar exaustivamente os pontos mais críticos que são a subida na moto, as paradas e as saídas, porque é aí que a maioria dos acidentes (pequenos tombos da moto) acontecem. O motociclista experiente, com um passageiro que pode antecipar seus movimentos e já sabe o protocolo de segurança adicional que a situação vai exigir, certamente diminui consideravelmente seu risco e fará a viagem em segurança e com conforto.

b) Segundo Passo: Faça um briefing pré-passeio para o passageiro e verifique os equipamentos de segurança

Antes de seu passageiro suba na moto, faça um briefing pré-passeio completo com ele. Antecipe possíveis dificuldades, pontos de risco, situações de tráfego, comportamentos sobre a moto, etc. Muito importante é determinar os pontos críticos do trajeto e avisar ao passageiro desses locais, como por exemplo, uma estrada mais esburacada, ou um trecho de serra com muitas curvas, etc. Lembre-se: A prevenção de comportamento é a melhor forma de preparação para uma viagem tranquila e segura.

É claro que você já deve ter fornecido ou exigido que o passageiro utilize os equipamentos básicos de segurança; de nada adianta você se equipar e deixar o passageiro à mercê do risco. Assim sendo é fundamental que o passageiro esteja usando um com capacete com viseira, jaqueta resistente, luvas, calças resistentes, botas ou calçados resistentes cobrindo o tornozelo, e óculos de proteção contra o sol. Certifique-se de que o passageiro está vestido de forma confortável e segura, e não importa em que condições ou onde você esteja pilotando, recuse-se em levar um passageiro sem o equipamento acima mencionado. Lembre-se: a segurança dele ou dela está em suas mãos.

c) Terceiro Passo: Estabelecendo uma comunicação

Considere que enquanto o passageiro está na sua motocicleta, ele está no comando. Ele é o menos favorecido na situação, portanto se ele quer que você diminua ou pare por qualquer motivo, você irá fazê-lo; entenda que qualquer razão que motive um pedido desses é sempre seguida de uma necessidade válida, e por mais que o motivo seja considerado “bobo” (ir ao banheiro, hidratação, esticar as pernas, ou simples medo repentino da estrada), é melhor dar ouvidos, pois se o passageiro não estiver confortável e concentrado na viagem, as chances de acidente aumentam drasticamente.

É fundamental conceber sinais de comunicação entre passageiro e piloto; por exemplo, um toque em seu ombro direito para parar. Como o piloto você controlar a moto, mas seu passageiro controla você. Explique sempre ao passageiro que você não tem nenhuma intenção de assustá-lo, que você sabe o que faz, e que sua pilotagem será sempre focada para que ele tenha a melhor e mais prazerosa experiência possível.

d) Quarto Passo: Subindo e Descendo da moto.

Instrua o passageiro a somente subir na moto com sua permissão expressa, após o comando específico (“Ok”, “pronto”, etc) e quando você já estiver montado na moto, ocorrendo o mesmo quando o passageiro tiver que descer.

No ato de montar ou desmontar da moto, peça para que o passageiro mantenha o seu peso centrado na moto, ou seja, não puxe a moto em sua direção, mas sim empurre o corpo em direção à moto.

Prepare-se fazendo um leve contra peso, inclinando a moto levemente no sentido contrário ao lado em que o passageiro irá montar, assim quando ele estiver subindo na moto o peso exercido equilibrará a moto.

e) Quinto Passo: Comportamento e Posicionamento do Passageiro

Primeiramente, vamos acabar com um grande mito. Definitivamente o passageiro não precisa ajudar o piloto nas curvas, ou seja, explique a ele que não é necessário inclinar-se forçadamente a favor ou contra as curvas, muito menos realizar qualquer tipo de pêndulo quando se estiver executando a uma curva. Qualquer movimento de inclinação do passageiro mal realizado fatalmente interfere no equilíbrio e altera o centro de gravidade do conjunto (moto + piloto + passageiro), podendo resultar em acidente.

 Entretanto o passageiro pode “acompanhar” o movimento corporal do piloto durante as curvas, e uma dica é pedir para que ele – durante as curvas – concentre o olhar bem no centro da parte de trás do seu capacete, pois isso o ajudará a manter a posição ereta do corpo e alinhado ao seu.

 É fundamental informar ao passageiro que não importa o que acontecer durante a movimentação, os seus pés devem permanecer o tempo todo nas pedaleiras ou plataformas, e que ele nunca deve tentar tocar o chão com os pés objetivando “segurar” a motocicleta. Esse tipo de comportamento também interfere no centro de gravidade e equilíbrio.

 Durante a frenagem todo o peso do passageiro irá se deslocar para frente e juntar-se ao seu peso, portanto mantenha-o ciente que isso é fisicamente normal, e que ele não precisa se assustar porque você está preparado que isso aconteça.

 Instrua o passageiro a sentar-se perto de você; se um passageiro pesado fica muito para trás no assento, isso pode afetar negativamente a direção na frente da moto, e por consequente afeta os movimentos naturais de esterço e contra-esterço.

 É fundamental que o passageiro mantenha os joelhos em contato permanente com sua perna. Na verdade essa posição ajuda a unificar a massa sobre a moto, permite a manutenção de um bom centro de gravidade, além de dar ao passageiro um feeling mais apurado dos movimentos que o piloto faz nas curvas.

 Enquanto seu passageiro não possui experiência como “garupa”, peça que ele se agarre a você o tempo todo; quando ele se tornar mais familiarizado com os efeitos da aceleração e frenagem da moto, aí sim ele poderá se segurar em outros pontos da moto (suportes, etc).

 Em todos os momentos encoraje o passageiro a ajudar na sinalização para os outros veículos e motos, mas desde que isso não gere risco ao próprio passageiro; portanto é sempre bom dividir com o passageiro a informação dos sinais internacionais para que ele possa – dentro do possível – ajudar a manter uma boa comunicação com outros veículos.

II – Preparação Geral do Piloto

i) Na medida do possível, procure ajustar a motocicleta para a carga extra (passageiro). Portanto consulte sempre o manual para possíveis ajustes nos amortecedores e pressão dos pneus.

ii) Procure instalar bons apoios de pés (pedaleiras ou plataformas) para o passageiro, mostrando onde e como ele deverá posicionar os pés. Lembre-se que além de tocar em você, esse é o único ponto de apoio do passageiro, portanto deve haver certo conforto nos apoios de pés.

 iii) Nunca peça para que o passageiro suba na moto com o descanso lateral (pezinho) em contato com o solo; é um erro achar que o descanso lateral previne possíveis tombos na subida do passageiro por vários motivos: i) com o pezinho armado, o peso extra na moto pode fazer com que ele seja enterrado no solo ou no asfalto quente, tornando o recolhimento mais difícil; ii) se o passageiro sobe na moto com o descanso armado, o piloto deverá fazer mais força para inclinar a moto em sentido contrário e desarmar o descanso, portanto o peso extra poder fazer com essa inclinação sai do ponto de equilíbrio e prove o tombamento do conjunto.

 iv) Nunca ligue a moto antes do passageiro subir. Em caso de desequilíbrio e tombamento é preferível que moto esteja desligada. Após a montada do passageiro, proceda ao acionamento da moto.

 v) Certifique-se de que ambos os pés estão firmemente plantados ao solo, além de que você tem boa postura para receber a carga de peso extra.

 vi) Durante a subida do passageiro na garupa, acione o freio dianteiro de forma que a mota não se mova com a inclinação e o sobrepeso.

 vii) Uma vez que o passageiro está sentado, verifique sua posição solicitando que ele não fique muito longe do seu corpo, explicando que quanto mais perto de você ele está, mais otimizado se torna o seu equilíbrio e controle da motocicleta.

 viii) A maior dificuldade com o passageiro é controle da moto em baixas velocidades. O peso extra exige a aplicação técnicas específicas para controlar a moto, portanto sugerimos a realização de curso específico sobre o assunto, como por exemplo, o curso oferecido pela Top Rider.

 ix) Procure realizar uma mudança suave de marcha, a ponto do passageiro não perceber que a mudança ocorreu; isso exige controle da aceleração e suavidade de movimentos. Receber pequenas batidas do capacete do passageiro atrás do seu capacete (os famosos “french kisses”) é sinal de que você não está conduzindo com a suavidade que a situação requer.

 x) Da mesma forma que a aceleração e mudança de marcha, a frenagem também deve ser suave e bem aplicada; lembre-se que quanto mais brusca ou forte for a frenagem, maior será a carga de peso sobre você, o que pode causar desconforto, desequilíbrio e os famosos “tombamentos em baixa velocidade decorrentes de frenagem”.

III) Conclusão

Andar com um passageiro em sua moto pode ser muito divertido, mas é algo que também envolve uma quantidade razoável de reflexão e cuidado. No minuto em que o passageiro toma o assento o traseiro da motocicleta você acaba de aceitar o trabalho de controlar a sua moto com uma desvantagem operacional (sobrepeso, centro de gravidade e massa alterados, etc), bem como a responsabilidade de preservar outra vida além da sua.

Portanto a exigência de prática e controle da moto se torna fundamental nessa circunstância posto que é seu dever proporcionar ao passageiro um passeio o mais seguro e confortável possível.

 A regra sobre a moto é “divertir-se”, mas quando a diversão se sobrepõe à prudência o risco toma conta e as chances de acidentes ganham força, portanto só assuma essa tarefa (carregar um passageiro) se você realmente estiver pronto; e se você já possui tal experiência, avalie sempre se suas condições físico-mentais e o momento permitem a “carona”; lembre-se além da sua vida, você é responsável direto pela vida do passageiro, e a meta é concluir o passeio com segurança para ambos.

 BE THE BEST, BE TOP RIDER.

Copyright 2013 by TOP RIDER – É proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, inclusive quanto às características gráficas e/ou editoriais. A violação de direitos autorais constitui crime (Código Penal, art. 184 e Parágrafos, e Lei nº 6.895, de 17/12/1980) sujeitando-se à busca e apreensão e indenizações diversas (Lei 9.610/98). Evite problemas; se você gostou do nosso artigo, basta usá-lo citando a fonte.

About the Author